Uma história que vai te fazer sentir vontade de “vencer os seus limites”

Conheci Marcos Davi numa dessas minhas idas e vindas em busca de acessibilidade, no meu “pacote” incessante de luta por um mundo mais humano, justo e inclusivo. Me encantei com sua história de vida, que é mais do que uma história, é exemplo de como a fé e a “teimosia” podem mudar o rumo de nossa história e inspirar muita gente a sair do lugar comum e ir para a realização dos seus sonhos.

Davi teve uma lesão na coluna que o deixou paralisado, algo fora do comum, que foi o acometendo aos poucos e que, com analgésicos, foi sendo adiado a busca por uma solução efetiva. Imóvel em uma cama e sem perspectiva de, sequer parar sentado sem apoio, ele reagiu, foi contra os prognósticos da medicina e hoje até consegue dar uns passos no andador. Ele é músico e responsável pelo lindo projeto batizado por ele mesmo de “Vencendo Limites”, que trata-se de um show em que músicos com e sem deficiência se reúnem e se apresentam superando as diferenças e mostrando os seus talentos.

O Show Vencendo Limites é uma proposição do Instituto Acessibilizar – ONG sediada em Porto Alegre  cujo trabalho foca-se na inclusão através da música.

Trata-se da reunião de músicos profissionais com deficiência:

Marcos Davi Graminho – compositor, voz, violão e idealizador da Banda, músico que tornou-se cadeirante em virtude de uma lesão medular;

Gabriel Schuck – teclado, arranjador e compositor – deficiente visual de nascença.

Músicos sem deficiência:

Marcio Desteffani – bateria; Robson Azevedo – baixo; Anderson Frota- guitarra.

Esse grupo forma a Banda Muitos Outros  que para o Projeto em tela traz como convidados os músicos  cariocas:

Luiz Felipe Oliveira Ferreira – baterista , deficiente visual que vem fazendo a abertura de shows importantes  do meio sertanejo como Maiara e Maraísa. Com músicas autorais como Barco a Vela e Meu Mundo , Quando a chuva cair, Riacho, Porto Beleza Rara etc.

A Banda Muitos tem no POP ROCK o estilo predominante de música que compõe seu repertório, revisando sucessos de outros artistas com arranjos próprios feitos pelos integrantes da Banda.

Por onde tem se apresentado encantam  a plateia e além da música bem feita dão um show de inclusão, que é a proposta âncora do Projeto da Banda, de modo a  pautarem a deficiência apenas como uma característica dos integrantes que a possuem e não como algo incapacitante.

Uma vida recheada de amor é uma vida que se faz valer a pena cada segundo. Esse nobre sentimento parte inicialmente de nós, para depois poder retornar. E é exercendo a humildade que ele vem. Porque amar não é fazer “coisas” pelas pessoas, o amor está em não julgar, em se doar, se dedicar, não trair, não maldizer…

A pureza do amor transforma, cura, encoraja e traz a maior de todas as riquezas, que é a recompensa de ter consigo a gratidão por todas as coisas da vida. E quando falo em gratidão, não me refiro a simplesmente dizer “obrigado”, mas sim em ser grato e confiante independentemente do rumo que a vida siga sem que possamos controlar.

Trabalhe as suas emoções de modo que consiga esculpí-las para o bem e se esforce para que a sua beleza exterior seja apenas reflexo do que há de mais lindo em você, na sua essência e em seu coração.

Se inspire nessa história, nesse projeto, nesse exemplo de vida, de fé, de coragem e nesse testemunho de vida de Deus.

Juntos somos mais fortes!

KenyaDiehl®️

Autista, Escritora, Blogueira, Palestrante, Consultora em Autismo e Colunista da Revista Ser Autista.